terça-feira, 5 de junho de 2012

COMENDO MINHA IRMÃ CASADA


Tudo o que vou relatar aconteceu durante umas férias que minha irmã e minha sobrinha vieram passar em minha casa. Acontece que na mesma ocasião minha esposa e uma das minhas filhas tiveram que fazer uma viagem até a casa de seus pais que moram em outro estado, ficando minha irmã, minha sobrinha, minha filha e eu em casa.
Sou um cara normal, nenhuma beleza excepcional, branco, cabelos pretos, 36 anos, 1,66mt de altura, 65kg. Minha irmã tem praticamente a mesma altura, bem branquinha, 1,65mt de altura, 68kg, cabelos pretos e longos, 32 anos. Nossas filhas são pequenas, e passavam a maior parte do tempo brincando e nos proporcionando um bom tempo para conversar.
Era verão, e como moro próximo da praia, aproveitávamos o dia na praia, voltando no final do dia para casa, para um banho gostoso e uma boa noite de conversa. Acontece que nestas idas a praia comecei a observar o corpo da minha irmã, percebi o quanto ela era gostozinha. Nada anormal, mas tem um corpinho delicioso. Usava um biquine decente, mas que realçava sua bundinha gostosa e sua buceta carnuda. Seus seios eram medianos, quase cabiam na palma da mão. Mas o que eu gostei mesmo foi a sua barriguinha lisa e macia. Minha vontade era lambe-la toda!
Quando chegávamos da praia tinha todo aquele ritual de banhos e desfiles pela casa de biquine, umas esbarradas quase que sem querer pelos corredores e banheiro deixavam-me mais excitado ainda. Depois de uns dos dias começamos a alternar passando creme hidratante nas crianças e depois um no outro. Suas mãos eram macias e cheirosas. Eu também caprichava ao passar o creme, adorava passear por suas costas, descer até quase tocar na sua bunda, depois subir novamente imaginando como seria transar com ela ali naquela hora. Como estava sempre de costas para mim, não podia ver a minha excitação e uma vez ou outra eu aproveitava para ajeitar meu pau e acariciá-lo enquanto viajava nos meus pensamentos.
Numa determinada tarde, quando fui passar o hidratante nas suas costas, ela deitada na cama, com aquela bunda para cima, recebendo meu carinho, me deixou muito excitado, aproveitei para brincar um pouco e percebi que ela estava curtindo aquele momento, pensei que era simplesmente pela massagem, mas num determinado momento, quando comecei a cariciar seu ombro, seu pescoço e sua nuca percebi que ela se arrepiava toda e mexia-se na cama meio desconfortável, derrepente ela virou os olhos para mim, que estava ajoelhado ao seu lado na cama, sem camisa, só com um short de seda, que uso para dormir, e percebe o volume formado no short com meu pau endurecido. Seus olhos pararam ali mesmo, enquanto dizia desconcertada que achava que já estava bom. Percebendo a excitação dela, e para provocá-la mais, levantei-me como quem não havia notado nada, deixando meu pau ali duro quase na altura do seu rosto, enquanto ela permanecia sentada falando comigo algo que já não me lembro, mas sem tirar os olhos da minha pica, até que virei as costas e sai, e ao olhar para trás de rabo de olho vi que ela deu uma abanadinha no rosto e alisou rapidamente a xoxotinha por cima do short que usava.
A noite correu normalmente, porém, aquele momento ficou nas nossas mentes. Após o jantar, as crianças foram dormir e então a convidei para assistirmos um filme juntos na sala. Coloquei o filme no DVD, enchi duas taças de vinho tinto, nos deitamos no tapete, que já estava cheio de almofadas, e passamos a assistir o filme e a beber, não havia conversa, só o som do filme. Foi então que nossos pés começaram a se tocar, e logo nossas mãos se encontraram e começei a passar um dedinho só na sua mão, numa carícia muito sutil. Ela não esboçava resistência alguma. Logo já estava com minhas mãos sobre as delas, que já correspondia ao carinho e aos poucos passei a alisar seus braços, subir até seus ombros, tocar em seu pescoço, e percebia sua excitação. Num determinado momento ela descansou seu braço sobre sua barriga, e aproveitei para descer devagar e passei a alisar com muito carinho a sua barriguinha maravilhosa. Nesta hora eu já estava de lado, e não prestava atenção mais no filme, apenas no seu corpo e naquele momento de excitação.
Aproximei-me mais dela, quase encostando completamente. Tomei seu braço, que estava sobre a barriga e coloquei sobre minhas pernas, na altura da minha bunda e passei a acariciar com mais ousadia a sua barriga, subia com as pontas dos dedos, da altura da cintura até quase tocar nos seus seios. Aproveitava para cheirar seus cabelos e pescoço enquanto minha mão passeava por sua barriga. Meu pau estava muito duro, tomei coragem e encostei nas suas pernas, deixando com que ela sentisse a dimensão das minhas intenções. Ela por outro lado acariciava a minha bunda e pernas, mas bem devagar. Seus olhos estavam fixos na TV, mas seu coração batia forte com toda aquela excitação. Num avanço ainda maior, dei um beijinho na sua orelha e acariciei o seu seio por cima da camisa, senti que o bico esta duro de excitação, nesta hora ela me olhou e disse: “O que você quer?” E deu uma pequena afastadinha, fiquei meio sem graça e disse: “Não sei, acho que quero só curtir um pouquinho a maninha.” Ela me olhou nos olhos, levantou as sombracelhas e e disse: “Curtir a maninha?” Fiquei meio sem graça, sem saber o que aquilo estava significando para ela, me afastei, pedi desculpa, levantei-me com o pau muito duro e fui beber água na cozinha.
Não demorou muito e ela também foi até a cozinha, pegou um copo de água, e começou a beber costada na bancada enquanto olhava para minha pica dura ali ao seu lado. Ela olhou para mim, depois de beber a água, e disse bem perto do meu ouvido: “Não tenho o que desculpar, esta muito gostoso esse tempo com você, vamos voltar para o tapete e terminar o filme.” Deitamos no mesmo lugar, mas agora mantive uma distância, quando percebo ela a procura da minha mão novamente, ela acaricia minha mão e leva novamente até sua barriga, mas desta vez por debaixo da sua camisa. Tocar a pele da sua barriga me levou a loucura. Acariciei com carinho e depois com mais força e tesão, percorrendo toda extremidade do tronco do seu corpo. Minha cabeça estava enfiada em seu pescoço onde dava leves mordidas fazendo minha irmã se contorcer toda de tesão, que nada dizia, apenas suspirava ofegante. Fui descendo a cabeça até a altura de seus seios, por baixo da camisa já os apertava e acariciava com tesão, levantei sua camisa expondo seus seios duros de tesão e logo cai de boca neles, chupando, mordendo, lambendo, fazendo a maninha gemer de prazer. Em determinado momento ela disse: “Não, não, não podemos continuar...” Nesta hora tirei minha boca dos seus seios e antes que ela dissesse qualquer outra coisa a beijei na boca. Minha língua percorria toda a sua boca, mordia seus lábios, seu rosto e enquanto a beijava já estava praticamente sobre ela, acariciando seu rosto e corpo, derrepente viramos e ela veio por cima, suas pernas abriram-se e sua buceta ficou justamente sobre o meu pinto. Ela estava completamente entregue, e roçava sua buceta no meu pau enquanto eu acariciava a sua bunda, suas costas e seios. Não parávamos de nos beijar, ela demonstrou que adorava ser beijada.
Deitei-me novamente sobre ela e tirei sua camisa, deixando-a semi-nua, com seus seios de fora e aquela barriguinha que eu amava. Comecei a chupar seus seios novamente, e ela acariciava minha cabeça gemendo baixinho, descendo até sua barriga e enfiei a língua no seu umbigo enquanto sutilmente desci a mão ate sua buceta carnuda e toquei seu sexo sobre a calcinha que já estava molhadinha com seu líquido. Quando ameacei enfiar a mão por dentro da sua calcinha ela tentou segurar minha mão, mas fui mais rápido e logo meti um dedo dentro da sua grutinha quente e molhada, ela contorceu toda e soltou um gemido mais forte, trancou minha mão com suas pernas e de uma forma muito rápida soltou-se e sentou dizendo: “Isto é uma loucura, é melhor parar por aqui.” Ela ficou de joelho, mas não de quatro, procurando sua camisa, e eu ali alisando o pau, sem saber o que fazer. Quando ela encontrou a camisa, e inclinou-se um pouco para pegá-la, vi sua bunda linda, não resisti e a abracei por trás, praticamente a sentando no meu colo, enquanto por trás eu beijava sua nuca e alisava seus seios e com uma mão fui direto no seu sexo. Ela dizia: “É melhor não, isso não tá certo!” Mas o tesão estava a flor da pele. Ela abriu um pouco as pernas para facilitar a penetração dos meus dedos, enquanto continuava a dizer sem forças: “Não, não, não... vamos parar, precisamos parar...” E outros sons de prazer saiam juntos com cada palavra. Então eu disse no seu ouvido: “Mana, é só uma foda gostosa, só sexo... você esta querendo, e eu te quero muito... deixa o mano te fuder hoje, deixa?” Ela gemeu e disse: “Tá bom maninho, me fode vai, que já não aguento mais de tanto tesão.”
Nesta hora eu a empurrei para frente, deixando-a de quatro, e colocando sua calcinha de lado, meti a língua na sua buceta. Ela enfiou a cabeça na almofada e eu com a cara toda enfiada naquele rabo, alternando entre a língua e os dedos e ali a fiz gozar pela primeira vez. Depois da primeira gozada ela virou uma leoa no cio, me empurrou, deitando me de costas, tirou a calcinha, e sentou na minha cara, sua buceta encaixou-se toda na minha boca enquanto ela tirou meu short e chupou meu pau como uma vadia. Ela chupava e punhetava, dizendo: “Safado, filho da puta, pensa que não percebia esse caralho duro por minha causa? Já que você quer, vou esfolar com esse pau hoje!”
Enquanto chupava sua buceta, comecei a cariciar seu cuzinho, e enfiei um dedinho e ela empinou toda e disse: “Ai também maninho? Mas ai sou virgem!” Nessa hora ela abriu minha pernas e foi com um dedo no meu cuzinho também, e disse: “Vê se é bom seu porra?” Nessa hora meu tesão foi às nuvens e enfiei meu pau todo na boca dela, fazendo com que ela engasgasse. Nunca nínguém tinha mexido no meu cu, mas o prazer foi muito grande e ela percebeu e continuou a me punhetar e me fuder com o dedo e eu fazia o mesmo com ela.
Ela saiu de cima, ficou de quatro e me disse: “Vem mano, me fode de verdade!” Enfiei minha vara sem dó na buceta dela, de uma só vez, deu um gemidinho de dor, mas logo dizia: “Com força vai... me fode... não para... vai, porra, me fode!” Eu a segurava pela cintura, e a puxava com força contra mim, segurei seu cabelo e puxei devagar, fazendo com que ela levantasse e me beijasse na boca. Eu dizia no ouvido dela: “Já estou namorando essa buceta há alguns dias sua safada. Você é gostosa demais! Rebola na pica do mano, rebola sua puta!”
Depois trocamos de posição, com ela sentada por cima, me olhando nos olhos e sentando com força no meu caralho. Enfie um dedo na sua boca enquanto fodia com ela e ela chupava como se fosse um outro pinto. Ela já tinha gozado outras duas vezes e agora era a minha vez, quando viu que eu iria gozar, ficou de joelho e em em pé, ela caiu de boca no meu pau e pediu para esporrar na cara dela. Quando o gozo veio, era porra que não acabava mais, sujou sua cara, cabelo e partes do corpo. Minhas pernas enfraqueceram e deitei-me, ela veio, ainda suja de porra e me deu um beijo de língua e lambuzou toda a minha cara. Fomos os dois para o chuveiro, lavamos um ao outro, nos beijamos, ela chupou meu pau novamente, enfiando o dedo no meu cu, me levando às nuvens, nunca imaginei que  um dedo no cuzinho desse tanto tesão ao homem, então eu disse para ela: “Agora vou tirar a virgindade do teu cuzinho!” Coloquei ela de quatro debaixo da ducha, passei um óleo de amendoa no meu pau, primeiro lambi seu cu, e enfiei minha língua e meus dedos, e então, coloquei a cabeça do meu pau na entradinha e forcei. Ela tentou sair, mas a segurei e disse: “Calma mana, só mais um pouquinho!” Fui penetrando bem devagar, ela gemia de desconforto, então comecei a masturbá-la enquanto penetrava e logo ela relaxou e entrou tudo. Comecei a fuder com vontade e ela se masturbava e gozou mais uma vez e eu gozei dentro do cuzinho dela.
Levantamos exaustos, terminamos o banho, nos beijamos mais um pouco e saímos cada um para seu quarto, no dia seguinte minha mulher chegou em casa e nestas férias não deu para repetir a dose, apenas umas passadas de mão aqui e ali... espero poder repetir a dose novamente! ygorgoa@gmail.com

6 comentários:

  1. caralho velho, que historia foda eim...
    se o proibido é mais gostoso, isto deve ser o auge do prazer e da loucura..

    parabens pela coragem hehe flw

    ResponderExcluir
  2. oq vcs fizeram foi pra mim um espetaculo e valoriazao,n vejo nda de errado nisso,vc deu pra ela oq ela precisava e vc precisava tb.entao foi preferido ela ter dado pra vc doq pra outro pra n atormentar e acabar com o casamento dela e ela n ser difamada,se vc for um homem de postura vc vai protege-la tratar ela especial sem o marido dela saber,nem sua mulher e nem ninguem.nos so vamos ler seus relatos de td q acontecer de sexo ente vc dois sem vcs si exporem,e sem da ela pra outro homem,ela tem q dar so por marido dela e pra vc,mas sem ele saber o caso de vcs dois pra q vcs continuem vivendo uma vida maravilhosa e com mt sexo.vc relate suas trransa,pq esse foi mt excitante e maravilhoso.gostei mt

    ResponderExcluir
  3. - s00 nao colou o dedo no cu; kkkk

    ResponderExcluir
  4. - caralho se for essa da foto mesmo voce ta de parabens e muito gostoza sorte que eu nao tenho irmã so irmão kkkkk.;

    ResponderExcluir
  5. MUITO BOM ESSE CONTO, BATÍ UMA DELICIOSA PUNHETA, GOZEI MUITO!

    ResponderExcluir
  6. Concordo absolutamento com o senhor (ou senhora) do primeiro comentário... A pouco mais de 3 meses relatei como fiz amor com minha irmã quando ela era noiva... a primeiro momento foi a "despedida de solteira dela"... Mas quem ler a história irá entender o que se passou... Ela se casou um mês depois do ocorrido... Viajou na lua de mél (até antes de se casar, ela morava comigo e com meus pais... O presente de casamento do sogro dela, foi um apê pra ela e pro marido dela)... quando ela voltou de viagem, ela vei em casa pegar as paradas delas, mas ela veio sozinha, e eu também estava só em casa... por que eu trampo daqui... Enfim... Conversamos como bons amigos que sempre fomos... Eu queria saber cada detalhe da viagem por me importar com ela... E ela falou que tudo foi maravilhoso e tal... Num certo ponto, ela esta me falando como estava sendo o sexo deles nessa viagem... Ela falou que foi foda!!!! Adorou pra caralho toda aquela emoção, carinho... Toda aquela parada do momento de rescem casados... Mas como somos muito intímos... Ela começou a dar detalhes de como era a transa... E como eu estava só de samba canção... (E como eu ja tinha transado com ela não fiz questão de esconder) eu fiquei de pau duro, e percebi que ela esta inquieta com isso... uma coisa levou a outra e transamos novamente... e foi maravilhoso... MARAVILHOSO PRA CARALHO PARA OS DOIS... Depois de tudo quando ela estava indo embora ela me disse o seguinte... o que eu pensei e dou uma puta de uma razão... Ela disse: Maninho, eu nunca me imaginei traindo o (nome do cunhado)... Mas o bom disso que fazemos é que uma coisa carnal e com respeito... Espero que continue assim... Bem simples...

    No final das contas... Adora transar com ela... E é uma atrção carnal... Tesão... Acho que é melhor acontecer comigo... Do que sair e trombar um desconhecido na rua... Vai da cabeça de cada um!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário ele é muito importante para melhorarmos cada vez mais o Blog.Se o comentario der como não enviado tente novamente é uma falha do blog, na segunda tentativa ele aceita.Obrigado!